Como construir um plano de negócios de sucesso

Como construir um plano de negócios de sucesso

Como construir um plano de negócios de sucesso

Saber como construir um plano de negócios é muito importante, afinal, ele permite validar ideias, captar sócios e recursos financeiros para começar a empreender.

É preciso considerar que, no plano, existem diversos tópicos diferentes: da definição do sumário executivo até as considerações finais. Eles garantem uma visão sistêmica, realista e adequada do negócio, por isso devem ser feitos com dedicação.

Não há etapas obrigatórias para construir o plano, o conteúdo vai variar de acordo com cada modelo de negócio e seu segmento de atuação. Contudo, existem caminhos mais adequados e que devem ser entendidos pelo empreendedor.

Nós reunimos tudo o que precisa saber sobre o assunto e os principais passos para que saiba como construir um plano de negócios. Portanto, acompanhe os tópicos seguintes!

1. Sumario executivo: um resumo geral

Na maioria dos planos de negócios, o primeiro tópico é o sumário executivo. Ele faz uma apresentação inicial do empreendimento e suas características mais importantes.

É preciso dar uma atenção especial ao sumário, afinal, servirá como um “cartão de visitas” para o restante do plano. Muitos investidores ou parceiros irão ler somente o sumário, para depois dar uma opinião sobre o empreendimento.

Os seguintes pontos devem constar no sumário executivo:

  • o que é o negócio;
  • quais são os sócios envolvidos;
  • qual bem ou serviço será comercializado;
  • que mercado pretende conquistar.

Não há um número certo de páginas para isso, mas é indicado que não ultrapasse duas ou três. Desse modo, é possível manter a objetividade e garantir uma leitura relevante e agradável, do começo ao fim do plano.

2. Análise de mercado: onde a empresa está inserida

A análise de mercado é uma das etapas mais abrandes e trabalhosas. O motivo é simples: tudo deve ser descrito com base em pesquisas reais, não dá para deduzir ou “chutar” sobre as informações do mercado.

Nesse ponto, serão tratados:

  • segmento — quais as peculiaridades do mercado em que quer atuar?
  • público-alvo — quais clientes deseja atender e quais as suas características?
  • concorrentes — já existem empresas nesse segmento? Quais?
  • fornecedores — como vai conseguir os insumos necessários ao trabalho?

A ideia não é traçar um plano de penetração no mercado, mas simplesmente conhecê-lo ao máximo. Busque entender as peculiaridades dos clientes, dos concorrentes e dos fornecedores. Assim, terá material suficiente para decidir estrategicamente.

3. Plano de marketing: como se sobressair no mercado

Entendido o modelo de negócio e o mercado, é o momento de estabelecer um plano de marketing. Ele será útil para que a empresa consiga o seu lugar no mercado, destacando-se dos concorrentes e ganhando a preferência dos clientes.

O plano de marketing deverá ser apresentado como um resumo, depois é possível criar um documento especificamente para isso. Os seguintes pontos deverão ser tratados:

  • descrição dos principais produtos;
  • preço dos bens e serviços comercializados;
  • estratégia de penetração no mercado;
  • estratégia de diferenciação da concorrência.

O principal questionamento ao longo do plano de marketing deverá ser “como se sobressair no mercado?”. Desse modo, será possível criar uma estratégia realista, clara e que potencialize a sobrevivência e o crescimento do negócio.

É importante que o empreendedor reserve um tempo especial para essa etapa do plano, pois representará a postura do novo negócio perante o mercado. Assim, poderá construir uma imagem positiva e atraente.

4. Plano operacional: as práticas do dia a dia

No plano operacional, serão discutidos os principais processos diários e que recursos serão úteis para o funcionamento do negócio. Assim, é possível se preparar.

Pense bem, para a existência e funcionamento de qualquer empreendimento há uma série de recursos que precisam estar presentes — processos claros, equipe de trabalho, tecnologias atuais e máquinas. É disso que se trata o plano operacional.

Os seguintes pontos devem ser tratados nessa etapa:

  • recursos humanos — quantos profissionais serão necessários, quais cargos deverão ser ocupados e qual será o organograma (estrutura comando-controle);
  • processos — uma descrição de como os produtos serão produzidos, comercializados e entregues para o público-alvo;
  • tecnologia e máquinas — quais sistemas (como o software de gestão empresarial) e máquinas serão úteis ao funcionamento;
  • layout da empresa — apresentação da estrutura física do empreendimento, mas nem sempre é necessário (como no caso de um e-commerce, por exemplo).

Quando mais claro o plano operacional, mais certeza terá dos recursos demandados para o início das operações. Também poderá construir o plano financeiro com maior eficácia, afinal, entenderá os diversos custos envolvidos na iniciação.

5. Plano financeiro: os custos, projeções e fontes de financiamento

Nessa etapa, o objetivo é muito simples: averiguar a viabilidade do plano do ponto de vista financeiro, bem como estabelecer os principais custos e fonte de financiamento. Assim, o empreendedor saberá se o negócio é realmente viável e atraente.

Essa etapa também costuma dar um bom trabalho, afinal, o empreendedor deve buscar o custo dos diversos recursos, além de fazer projeções para o futuro. Entenda:

  • custos iniciais — principais custos para a abertura do negócio, como: compra de máquinas, tecnologias e pagamento de tributos estaduais;
  • capital de giro — valor necessário para manter o negócio ativo por ao menos 6 meses, visto que o início de qualquer empreendimento é difícil;
  • fontes de financiamento — deve-se estabelecer de onde o dinheiro virá, se é capital próprio, empréstimo familiar ou financiamento bancário, por exemplo;
  • análise de viabilidade — avaliação da viabilidade do empreendimento, realizando projeções para o lucro no curto, médio e longo prazo.

É importantíssimo que o empreendedor seja realista no plano financeiro, evitando ser pessimista ou otimista em excesso. Assim, saberá se realmente vale o investimento de tempo, energia e dinheiro no negócio (ou se é melhor buscar novas ideias).

6. Considerações finais: a abordagem final do plano

O último tópico é, na verdade, um parecer sobre o negócio. O empreendedor deverá descrever se vale todo o investimento — de tempo, energia e dinheiro — e explicar a razão. Assim, poderá finalizar suas ideias com “chave de ouro”.

Essa última etapa é muito importante para o empreendedor, mas especialmente para possíveis sócios e investidores. Eles poderão ler apenas o sumário executivo (primeiro tópico) e as considerações finais (último tópico) para decidir se possuem algum interesse e, posteriormente,  realizar uma leitura mais aprofundada.

Construir um bom plano de negócios não é difícil, porém, demanda bastante entusiasmo e comprometimento. Todos os tópicos anteriores deverão ser considerados, ainda que de forma superficial, para dar um parecer consistente sobre o empreendimento.

Em complemento ao plano, é muito interessante construir um modelo de negócios em Canvas, chamado de Business Model Canvas (BMC). Ele oferece uma visão mais sistêmica, clara e objetiva do empreendimento. Além disso, aumenta o espaço para inovação. Há, na atualidade, softwares com módulos específicos para o BMC.

Agora sabe como construir um plano de negócios, certo? Aproveite para nos seguir no Facebook e ficar sempre por dentro das nossas novidades. Vamos lá!